Eu Indico: Bons quadrinhos desse início de 2017

0

Mensur-capaO quadrinista Rafael Coutinho (autor de O Beijo Adolescente e coautor de Cachalote, ao lado de Daniel Galera) volta em 2017 com seu novo trabalho, intitulado Mensur. Dessa vez, o autor resolveu investir num trabalho de tirar fôlego, algo diferente do grandioso O Beijo Adolescente, que foi dividido em três partes.

O material, publicado pela Quadrinhos na Cia, é composto por 200 páginas e traz uma narrativa dinâmica e envolvente.

Sinopse: Um dos artistas mais talentosos dos quadrinhos brasileiros, Rafael Coutinho volta à forma longa neste que é seu mais ambicioso trabalho desde Cachalote, romance gráfico criado em parceria com o romancista Daniel Galera.

Em Mensur, o autor conta a história do Gringo, um andarilho que percorre cidades brasileiras em busca de bicos e trabalhos manuais. Todavia, o Gringo é também um dos últimos praticantes do mensur, uma luta de espadas surgida na Alemanha do século XV entre estudantes universitários. Enquanto lida com seus próprios fantasmas e obsessões, um caso amoroso pode colocá-lo em conflito com seu passado e com segredos que jamais deveriam vir à tona. Um dos mais originais e impressionantes trabalhos dos quadrinhos brasileiros, Mensur é uma saga pessoal e um épico íntimo da busca por um lugar e, sobretudo, por algum tipo de paz.

Adquira aqui >>> Mensur


Projeto Manhattan

Projeto ManhattanTodo mundo conhece o Projeto Manhattan concebido pelo presidente americano Roosevelt em 1939. Felizmente, Jonathan Hickman (responsável pela elogiada fase nos Vingadores, Novos Vingadores, Infinito e Guerra Secretas) nos apresenta os vários “Projetos Manhattans” em desenvolvimento. O enredo é absurdo e genial, extremos que só se esbarram nas mãos de bons escritores.

Mesclando ficção científica em momentos históricos e ambientando personagens reais em situações fantásticas, Hickman usa bons clichês para inverter nossa expectativa, implementando épicas cenas de ação e realidades paralelas.

Claro, o autor não seria tão competente sem o artista Nick Pitarra, com sua arte particular que lembra uma fusão de Moebius com Frank Quitely. Projeto Manhattan ainda está em andamento lá fora (com 6 volumes), mas aqui vem sendo publicado pela Editora Devir, que já lançou até o 3° volume.

Sinopse: Os bastidores do Projeto Manhattan que, durante a Segunda Guerra Mundial, reuniu algumas das mentes mais brilhantes da época para, entre outras coisas, desenvolver a bomba atômica. Só que isso é somente uma fachada para os projetos realmente importantes (e secretos) desenvolvidos pelo grupo de cientistas.

Adquira aqui >>> 1°Volume | 2°Volume | 3°Volume


Suicide Club

Suicide ClubUm quadrinho que reflete um dos problemas mais frequentes do século XXI, o suicídio. Suicide Club é uma adaptação do filme lançado em 2003, dirigido por Sion Sano. Junto ao longa, Usamuru Furuya adaptou e reescreveu a história conforme seu olhar, incrementado sua visão goore, sobrenatural e experimentalismo – características frequentes em seus trabalhos.

Envolto em investigação policial e uma seita macabra que envolve suicídio coletivo, o mangaká faz um bom estudo da psique de uma juventude que vive uma pressão cotidiana capaz de deturpar todo o sentido social em que vivemos. Um trabalho forte e muito reflexivo. A obra chegou ao Brasil pela Editora New Pop.

Sinopse: Esta é a macabra história do suicídio coletivo de 54 garotas, todas estudantes. Elas se atiram na frente do metrô, causando enorme comoção pública. Uma série de outras mortes de grupos espalhados por todo o país deixa a equipe do detetive Kuroda em pânico. Eles correm contra o tempo e as pistas mais atrapalham do que ajudam. Neste suspense de alto teor psicológico nada é tão simples como parece.

Adquira aqui >>> Suicide Club

Share.

About Author

Sou formado em jornalismo e estudante de design gráfico. Entusiasta de um bom quadrinho ou mangá. Adoro livros de terror e ficção científica, além de ter um dedinho na fantasia. Não perco a oportunidade de discutir um filme ou livro. Adora debater ideias e refletir sobre o péssimo posfácio dos livros.

Leave A Reply