Bienal SP: veja o que rolou no primeiro sábado do evento

0

O primeiro final de semana da Bienal do Livro de SP 2016 estava recheado de atrações.  No sábado, 27 de agosto, a equipe do Capitulares esteve presente no evento e quase foram atropelados pelo Mauricio de Sousa em um carrinho de golfe (foi incrível)!

bienal-mauricio-de-souza

Mauricio de Sousa e legião de fãs ao seu redor

Também tivemos a oportunidade de presenciar algumas atrações como as sessões de autógrafo de Thalita Rebouças (autora da série Fala Sério) e André Vianco (que assina o livro Os Sete). Ziraldo estava recebendo as crianças e autografando a obra Meninas.

Outras novidades

Frederico Elboni

Frederico Elboni

Frederico Elboni, criador do site Entenda os Homens, era uma das atrações de uma grande livraria brasileira. Ele atendia os fãs no lançamento da obra Só a Gente Sabe o que Sente. Os escritores Alessandra Morales (do blog Tô Pensando em Ler), Allana Machado, Bruno Catão e Paulo Vitor Mendonça também receberam durante parte da tarde, os leitores que passavam pelo estande da Editora PenDragon. O quarteto lançava a coletânea Contos Amargos.

Autores de "Contos Amargos"

Autores de “Contos Amargos” – Allana Machado, Paulo Vitor Mendonça, Alessandra Morales e Bruno Catão

No meio de tudo isso, a feira também teve espaço para inovação. A Editora Digital do Brasil apresentava ao público o primeiro volume da série Laurinha, a Menina Lobinha (confira em breve a reportagem completa), projeto de realidade aumentada que visa atrair as crianças para o mundo da leitura.

Impressões do público

Como já está se tornando tradição aqui no Capitulares, conversamos com alguns visitantes do evento para saber quais eram as impressões de cada um a respeito desta Bienal. Um grupo de Lorena (SP), destacou, entre outros pontos positivos, a melhor organização da feira.

“Estamos conseguindo nos locomover no pavilhão com mais facilidade”, relatou a estudante Karina dos Santos, 20 anos. Ela também ressaltou que “o transporte e a alimentação estavam funcionando bem”. Um dos pontos ruins foram os preços. “Precisei procurar bastante para conseguir achar os que valem a pena”.

A estudante Maria Luiza, de 19 anos, lembrou o fato de não ter conseguido ir em eventos de autores conhecidos. No entanto, conheceu outros menos populares. “Aqui pelos estandes eu consegui conversar com alguns escritores que estavam recebendo os visitantes”. Ela também lembra que em 2014  o evento estava muito cheio.

Quem estava feliz por conseguir um bom desconto era o estudante de física Gustavo Dias. “Consegui comprar uma HQ que normalmente custa R$ 85 por pouco mais de R$ 60”, comentou. O jovem também destacou os livros digitais. “Estava passando pelo estande e a escritora Giovanna Vaccaro me abordou e pediu para que eu lesse a sinopse do livro dela. Eu gostei e comprei a obra E Se…”

14191618_1266004663432814_1169750789_o

Gustavo Dias (20), Maria Luiza (19) e Karina dos Santos (20)

Share.

About Author

Jornalista formado desde 2013. O primeiro livro que li na vida foi “O Menino que Aprendeu a Ver”, de Ruth Rocha, e desde então tenho esse estranho hábito de juntar letras, palavras e frases. Enquanto a minha geração se aventurava com Harry Potter durante a infância e a adolescência, minha primeira série de fantasia foi Deltora Quest, de Emily Rodda. Tenho medo do que posso fazer com minha conta bancária quando entro em uma livraria e geralmente quem não gosta de ler evita ao máximo passar comigo em frente a uma.

Leave A Reply